DAVID FONSECA

SB 17 NOV 22H00

MÚSICA | 1.ª PLATEIA 15€ | 2.ª PLATEIA 12,5€ | BALCÃO 10€
POP-ROCK
DREAMS IN COLOUR LIVE

Voz, guitarras David Fonseca
Guitarras Ricardo Fiel
Piano, teclado, voz Rita Redshoes
Teclado, sintetizadores, voz Paulo Pereira
Baixo Nuno Simões
Bateria Sérgio Nascimento

Viaje até ao novo mundo de David Fonseca!

Depois de há cerca de uma dezena de anos ter surgido com o grupo Silence 4, David Fonseca iniciou em 2003 a sua carreira a solo: nesse ano com Sing Me Something New, um disco onde explorou novas facetas de compositor e intérprete; mais tarde, em 2005, editou Our Hearts Will Beat As One, trabalho que o confirmou como uma das vozes mais carismáticas da música produzida em Portugal. Pelo meio, participou no projecto Humanos, dando voz a temas inéditos de António Variações ao lado de Manuela Azevedo e Camané.

Em 2007, surge o seu terceiro disco a solo Dreams In Colour, um disco repleto de grandes canções que reafirmam o talento e que nos transportam para um imaginário novo na obra deste artista.

Será este novo mundo que o público terá oportunidade de conhecer nesta apresentação ao vivo de Dreams In Colour: temas mais recentes como Superstars, o 1º single deste disco, Kiss Me, Oh Kiss Me, 4th Chance ou Silent Void; outros mais antigos, retirados dos discos anteriores, como as baladas Someone That Cannot Love e Who Are U? ou os electrizantes The 80’s ou Our Hearts Will Beat As One; ou ainda canções adaptadas como Rocket Man, um original de Elton John recriado por David Fonseca em Dreams In Colour. A complementar, uma concepção audiovisual original.

 

David Fonseca - Biografia

O David adora gatos. Tem 2 ou 3 em casa e eles fazem-lhe companhia quando está sozinho. Gosta de ouvir Jeff Buckley, B’52s, Pixies, Roy Orbison e Aphex Twin, isto para mencionar alguns, a lista é gigante. No entanto, estes 5 nomes são bastante representativos...

O David é um músico, embora sempre tenha sonhado em ser um fotógrafo. “Acho que foi o destino”, diz ele num suspiro enquanto olha para o chão, “embora não acredite em nada disso”.

Independentemente da força do destino, o David é um dos mais carismáticos e bem sucedidos artistas portugueses até aos dias de hoje. Fundou a sua primeira banda em meados dos anos noventa e foi com ela que apresentou as suas canções e voz a um público mais vasto. O grupo acabaria por impor-se como um dos maiores fenómenos nos anos recentes da música portuguesa, com o seu álbum de estreia “Silence Becomes It” a atingir as 240.000 cópias vendidas.

Dificilmente David Fonseca esquecerá o ano de 1998... os Silence 4 tocaram nos mais importantes festivais de verão desse ano e fecharam a Expo 98, onde tocaram para 50.000 pessoas. Em Dezembro de 98, fecharam o ano com uma actuação no Pavilhão Atlântico para 18.000 pessoas, tornando-se assim na primeira banda portuguesa a esgotar esta sala de espectáculos.

“Tinha encontrado finalmente uma cura para as minhas insónias...quem é que queria dormir com toda aquela agitação à nossa volta?”, diz-nos David com um sorriso na cara.

“Only Pain Is Real” (2000) foi o 2º álbum dos Silence 4, tendo vendido 100.000 cópias até á data. Seguiu-se uma tournée que culminou em Dezembro de 2000 com dois concertos memoráveis no Coliseu de Lisboa. Estes concertos foram editados posteriormente em forma de DVD e CD com o título “Silence 4 ao vivo no Coliseu”.

Em 2001 os Silence 4 fizeram a sua última digressão e terminaram as suas actividades. Era altura para o David experimentar um novo rumo a solo, algo de diferente...

“Foi como a canção...”First I was afraid, I was petrified”...mas acabou por ser uma experiência libertadora, uma daquelas que aqueles pavorosos livros new age falam. De repente percebi que esta era a única maneira de continuar...”

Em 2003, David Fonseca lança o seu primeiro disco a solo, “Sing Me Something New”, onde explora novas facetas de compositor e intérprete. Toca praticamente todos os instrumentos do disco, que estreia simultaneamente em mais de 150 rádios por todo o país. “Someone That Cannot Love” atinge o #1 do Airplay Nacional e “The 80’s” é escolhido como tema de campanha da Vodafone, catapultando uma digressão de grande sucesso por todo o país. O álbum atinge o #2 da tabela de vendas e atinge o galardão de disco de ouro.

Em 2004 participa no projecto Humanos, dando voz a temas inéditos de António Variações ao lado de Manuela Azevedo e Camané. O sucesso do disco culmina em 3 espectáculos memoráveis nos Coliseus de Lisboa e Porto e uma actuação para 40.000 pessoas no festival Sudoeste.

Em 2005 chega a vez do seu segundo álbum a solo, “Our Hearts Will Beat As One”. Fruto de uma longa temporada de composição, 11 temas são escolhidos entre as dezenas de canções que rodearam a feitura deste disco. O primeiro single do álbum, “Who Are U?”, é o tema descrito por David Fonseca como “aquele que sempre quis escrever” e atinge o #3 na tabela de airplay nacional.

“Our Hearts Will Beat As One” foi aclamado pelos média e foi considerado por muitos o álbum pop do ano mesmo antes do fim de 2005. O disco estreou em #1 na tabela de vendas nacional e chegou ao galardão de ouro na primeira semana de vendas. Foi considerado pelos leitores do Diário de Notícias como o melhor disco de 2005.

“Depois de alguns anos de procura, sinto que encontrei o que queria. As coisas que quero dizer, os sons que quero ouvir, está tudo aqui. E, no entanto, sinto que este é só o princípio, que este disco marca um novo ponto de partida para mim e para a minha música.” 

“É verdade que sempre sonhei ser fotógrafo, mas estou feliz por ter seguido este caminho. Mas não tem nada a ver com o destino...Como eu vos disse, não acredito em nada disso.”