COMEMORAES DO III ANIVERSRIO DE ELEVAO DE ESTARREJA A CIDADE

SB 26 JAN 21H00

SÁB 26 JAN 21H00
BAR CTE | ENTRADA LIVRE

LANÇAMENTO DO LIVRO MEMÓRIAS DA FEIRA DE ST.º AMARO
DE SÉRGIO PAULO SILVA (reedição revista e aumentada)

 

SÁB 26 JAN 21H30
SICA| ENTRADA LIVRE

BANDA BINGRE CANELENSE 

 

EVENTOS INTEGRADOS NAS COMEMORAÇÕES DO III ANIVERSÁRIO DE ELEVAÇÃO DE ESTARREJA A CIDADE


A 26 de Março de 1865, na sequência do ímpeto empreendedor de alguns arrojados Canelenses, amantes das artes mas da música em particular, foi fundada na freguesia de Canelas, concelho de Estarreja, uma Banda Musical - então sob a denominação de Sociedade Musical União Canelense.

Em 10 de Junho de 1934, esta Instituição passou a denominar-se Banda Bingre Canelense – assim homenageando o grande poeta canelense Francisco Joaquim Bingre que, sob o pseudónimo de “Cisne do Vouga”, integrou o interessantíssimo movimento poético da “Nova Arcádia”.
Após a sua última grande reformulação estatutária, esta vetusta Associação passou a denominar-se Sociedade Recreativa e Musical Bingre Canelense.

Mantendo ininterrupta actividade musical desde a sua fundação, na Banda Bingre Canelense brotaram e se formaram notáveis músicos e maestros – que têm vindo não apenas a integrar grandes orquestras e bandas profissionais, mas também a exercer a docência musical, com elevada distinção, em vários Conservatórios de Música.

Intensamente solicitada para actuações por todo o país, a filarmónica é actualmente integrada por sessenta e cinco músicos.
Na sua escola de música, actualmente 53 crianças e jovens frequentam gratuitamente o CIMA – Curso Interno de Músico Amador. Tem por Maestro Titular e Director Artístico, o Sr. Prof. Nelson Aguiar – o qual, tendo iniciado a sua aprendizagem e actividade musical nesta instituição, exerce também docência musical no Conservatório de Música de Aveiro de Calouste Gulbenkian.

Simbólica e justamente, a Associação mais antiga do concelho alia-se, assim, às Comemorações do III Aniversário da Elevação de Estarreja a Cidade.



Posfácio à 2ª edição do livro Memórias Da Feira De St.º Amaro


A Feira de Stº Amaro acabou. Foi-se extinguindo como uma árvore velha. Hoje uma pernada, amanhã outra, enquanto as raízes teimavam, em vão, defender a planta. Insensivelmente foi-se extinguindo e, quando a página estava voltada, já ninguém poderia dizer ao certo quando se dera o passamento porque o tempo tecera tudo na sua paciência de silêncios: as gerações de pessoas que a tinham feito ou sustentado, de igual maneira tinham desaparecido e, com elas, os seus animais, os seus hábitos e utensílios. Não vale a pena fingir vidas que já não existem. Já era assim quando fiz a primeira edição deste livro. Quis então, como quero hoje, resguardar a memória, dar às novas gerações de Estarrejenses um pouco da nossa história, da vida dos seus mais antigos, quer valendo-me de imagens, quer valendo-me de textos. Nesta 2ª edição incluo, entre outros, um texto que fala por si. Na sua leitura atenta fica um precioso retrato de quanto animava a feira. Escrito por ardor político não podia tornar-se mais transparente após a peneira dos anos. No rebusco foi-me ainda possível encontrar mais algumas imagens, sempre preciosas, e penso ser igualmente de grande importância referir o achamento de sinais de vida primitiva no local, aquando das obras recentes na capela, o que nos leva já não para a suspeita mas para a certeza de ser a nossa região habitada por um povo anterior à idade dos metais. Finalmente, resolvi incluir duas crónicas que escrevi no Jornal de Estarreja apenas para servirem de amostra da miríade de estórias  que a feira gerava, também elas, como o bafo do gado, concorrendo para a ambiência que enfeitiça a memória dos mais idosos.
Resta-me reiterar o apelo inicial, esperar que no futuro alguém, com melhores recursos e o saber que não alcancei, possa refrescar e tornar mais viva a memória da nossa Feira de Santo Amaro, o que equivale a dizer da nossa gente e de quantos, por muitas léguas em redor, nos tinham por farol.

S.P.S., outono de 2007


RESTANTE PROGRAMA DAS COMEMORAÇÕES DO III ANIVERSÁRIO DE ELEVAÇÃO DE ESTARREJA A CIDADE:


TER 15 JAN 11H30Inauguração do Largo da Feira de Santo Amaro
QUI 17 JAN 18H00 - Inauguração da Exposição “Fotografias de Estarreja”, de João Vidal Lemos, na Casa da Cultura