Jovens levantam a mo pelos seus direitos

O Teatro do Desassossego prepara-se para mais uma estreia no âmbito do projeto Panos 2015 e, no próximo dia 24 de abril, às 21h30, promete desassossegar a plateia com tudo o que tem para dizer.

O texto que marca mais uma incursão do Grupo de Teatro Juvenil do CTE - agora Teatro do Desassossego - ao universo Panos - Palcos Novos, Palavras Novas, promovido pela Culturgest, tem assinatura do autor galego Pablo Fidalgo Lareo. “Só há uma vida e nela quero ter tempo para construir-me e destruir-me” revela que os jovens também sabem o que fazem e que querem ter voz ativa na sociedade.

Escrita propositadamente para o Panos, a obra de Pablo Fidalgo Lareo recebe em Estarreja encenação de Teresa Arcanjo, que prefere classificar a peça como uma “performance” já que se trata de “um texto” sem personagens e demais elementos que caracterizam a estrutura típica de uma peça de teatro. Segundo Teresa Arcanjo, o texto escolhido pelos 9 jovens do Teatro do Desassossego, mostra “a revolta que esta geração tem de ter herdado um país defeituoso, uma europa defeituosa.”

Esta é a quarta estreia do Teatro do Desassossego. “Só há uma vida e nela quero ter tempo para construir-me e destruir-me”, de Pablo Fidalgo Lareo, segue-se a “Os Anjos Tossem Assim” (2014), de Sandro William Junqueira, “Ester” (2013), de Rui Catalão, e “The Grandfathers” (2012), de Rory Mullarkey. Com a apresentação da peça do ano passado, o Teatro do Desassossego mereceu distinção e, entre 35 grupos participantes, foi um dos 6 selecionados para mostrar todo o trabalho desenvolvido no Festival Panos, que decorreu em maio de 2014 na Culturgest, em Lisboa. Fazer parte do Festival Panos 2015 é uma ambição, mas a aprendizagem é a verdadeira prioridade. Teresa Arcanjo não esconde a vontade de voltar a Lisboa: “Claro que era fabuloso se nós conseguíssemos ir este ano outra vez, mas o importante é que eles aprendam com tudo isto.”

Com idades entre os 12 e os 18 anos, Bianca Oliveira, Cátia Azevedo, Gabriela Garcia da Silva, Henrique Rainho, Lucília Anjos, Mariana Ribeiro, Mariana Rodrigues, Sofia de Brito Tavares e Sofia Valente Bastos são os 9 adolescentes que dão corpo e voz a este manifesto. Dia 24 de abril, a partir do auditório do Cine-Teatro de Estarreja, o passado, o presente, a educação, o dinheiro, o capitalismo, a crise, o conformismo serão questionados, motivando o pensamento crítico face ao mundo atual. Quando o assunto é o futuro, estes jovens são os primeiros a levantar a mão.

Bilhetes à venda na Bilheteira do CTE, no site da Bilheteira Online, lojas CTT, Fnac e El Corte Inglés.

SEX 24 ABR 21H30
Só há uma vida e nela quero ter tempo para construir-me e destruir-me

Pablo Fidalgo Lareo texto original
Teresa Arcanjo encenação
Bianca Oliveira, Cátia Azevedo, Gabriela Garcia da Silva, Henrique Rainho, Lucília Anjos, Mariana Ribeiro, Mariana Rodrigues, Sofia de Brito Tavares, Sofia Valente Bastos interpretação
Cine-Teatro de Estarreja produção

Espetáculo inserido no Projeto PANOS 2015/Culturgest
[TEATRO] 3€

+
http://www.cineteatroestarreja.com
http://www.facebook.com/cinestarreja
http://twitter.com/CTE__