Cuca Roseta e Manuela Azevedo so os rostos de novembro no Cine-Teatro de Estarreja














No mês de São Martinho e das castanhas assadas não faltam motivos para ir ao teatro. O Cine-Teatro de Estarreja promete convencer com uma programação cultural transversal, que destaca as produções nacionais.




Bom exemplo é a presença de Cuca Roseta, no próximo dia 14 de novembro, com o seu “fado ampliado” a outras sonoridades e culturas. O pretexto é dado pela apresentação de Riû, terceiro álbum da cantora e compositora de 33 anos, que mostra “o outro lado do fado – intenso mas esperançoso”, descreve a própria Cuca.

Uma semana depois é a vez de Manuela Azevedo voltar ao Cine-Teatro de Estarreja (CTE) para provar que não se inibe com desafios, pelo contrário, supera-os. “Coppia” é um espetáculo de música e dança, consequência do repto lançado pelo Centro Cultural de Belém à vocalista dos Clã, incumbindo-a de criar um novo espetáculo. O que Manuela Azevedo leva ao CTE no dia 20 é o resultado, materializado em “Coppia”, assinado também por Hélder Gonçalves e pelo coreografo Victor Hugo Pontes e que se resume a uma viagem pelo que, em todos nós, só faz sentido a dois.

“Segue-me à Capela” pelos caminhos de Portugal
As vozes femininas não se esgotam nas de Cuca Roseta e Manuela Azevedo. “Segue-me à Capela” dão o primeiro concerto de novembro no CTE, já no próximo dia 6. São sete mulheres prodígio que recuperam e revitalizam temas do cancioneiro popular português, através da voz e alguma percussão. Com o carimbo Outonalidades’15, “Segue-me à Capela” propõem um concerto para “Em tempos de finados, cantar aos vivos” e onde não vão faltar quentes e boas surpresas.

Juntar dança e matemática num espetáculo para famílias

Depois da oficina que reuniu 19 professores do 1º ciclo do ensino básico ao secundário, Pedro Carvalho regressa ao CTE para apresentar o solo “O homem que só pensava em números”. Destinada a famílias, esta performance alia duas disciplinas, a dança e a matemática, para contar a história de um homem que dedica toda a sua vida e existência aos números. Promovido no âmbito do LAC – Laboratório de Aprendizagem Criativa do Município de Estarreja, o espetáculo de Pedro Carvalho com produção da Companhia Instável, será apresentado às escolas de 9 a 13 de novembro, com a sessão dedicada às famílias a subir ao palco às 16 horas de domingo, 15 de novembro.

Caça à baleia, obsessão e vingança. Estas palavras cabem em “Moby-Dick”

Depois de Nova Iorque e New Bedford, nos EUA, a Companhia teatromosca apresenta “Moby-Dick” no CTE, dia 28 de novembro. A peça é baseada no romance homónimo de Herman Melville, com adaptação de Tiago Patrício, direção de Pedro Alves e interpretação de Pedro Mendes e Ruben Jacinto. Estreado no final de 2013, “Moby-Dick” foi considerado um dos melhores espetáculos desse ano, pelo semanário Expresso.

Cartaz de cinema com 15 filmes até ao final do ano

Também a sétima arte tem lugar cativo no CTE, com filmes às quintas-feiras e domingos. “Supercondríaco”, de Dany Boon, garante boa disposição no próximo dia 5 de novembro, no âmbito do ciclo Quintas de Cinema, uma parceria do CTE e do Município de Estarreja com o Cine-Clube de Avanca. “Noturna”, de Pedro Farate, é a curta-metragem que dará início à sessão. “A Ovelha Choné: O Filme” e “O Estagiário”, com Robert De Niro, compõem o cartaz de domingo, dia 8, com sessões às 10h30 e às 17h00, respetivamente. Até ao final do ano, o CTE vai exibir um total de 15 filmes, entre curtas e longas-metragens, produções europeias, lusófonas e americanas, sessões para famílias e filmes acabados de estrear nas grandes salas portuguesas.