A COR DA LNGUA

SB 19 ABR 23H00 BAR CTE

TEATRO | MÚSICA | 2,5€ [ENTRADA LIVRE PARA ESPECTADORES DO TEATRO CHOVEM AMORES NA RUA DO MATADOR] 

FESTEATRO’08 | PASSE 2 FINS-DE-SEMANA 10€ | PASSE GERAL 12,5€


TRIGO LIMPO TEATRO ACERT

 

Coordenação musical, guitarras e voz: Carlos Peninha

Coordenação teatral, declamação e voz: José Rui Martins

Flauta e voz: Luísa Vieira

Arranjos, violoncelo e voz: Lydia Pinho

Arranjos, contra baixo e voz: Miguel Cardoso

Percussão e Voz: Rui Lúcio

Som: Cajó Viegas e Luís Viegas

Desenho de Luz: Luís Viegas e Paulo Neto

Figurinos: Ruy Malheiro

Cenografia e design gráfico: ZéTavares

 

 

Noite dupla do Trigo Limpo Teatro Acert no Cine-Teatro de Estarreja, com a apresentação deste projecto de música e poesia, herdeiro dos anteriores Soltar a Língua e Cantos da Língua, no espaço do Bar CTE, logo após a sessão do espectáculo Chovem Amores na Rua do Matador na sala principal (entrada livre para os espectadores da peça de teatro).

 

Percorridos

Os quatro CANTOS da terra

E o céu (da boca),

É chegada a altura

De dizer

(alto e bom som):

A Cor Da Língua

Viajar pelos escritores de língua portuguesa, deixando-nos enfeitiçar pela paleta de cores que plasticamente a remodela, tem sido um longo e apetitoso exercício criativo, repleto de cumplicidades múltiplas.

Músicas inovadoras ondeiam numa inspiração que transforma a poesia (en)cantada e teatralizada no nosso mar de deslumbramentos. É uma relação de partilha que, de modo ininterrupto, acorda em nós uma língua, fazendo com que a corda de cada instrumento expressivo adopte como protagonista A Cor Da Língua.

Sons, declamação poética, teatro. São ainda estes os pontos cardeais de um mapa musical único, traçado ao longo das geografias infindáveis dos sentires e dos sentidos. Porém, o itinerário promete agora desdobrar-se noutras paragens (e movimentos!), bem como em momentos de renovada comunicação com o público. 

Um espectáculo que constrói pontes entre diversos escritores lusófonos, num carrossel mágico onde as sonoridades rodopiantes se mesclam com as letras que mais nos seduzem.